domingo, 13 de janeiro de 2013

Enfim Shakespeare escreve um diário

Postado por Enfim Shakespeare às 3:00 PM

Eu realmente não aguentei, meu coração se apertou no inicio do filme, eu havia prometido que iria assistir ao seu lado e estava cumprindo a promessa enquanto minha irmã estava na sala assistindo ao filme, eu estava no quarto apenas escutando alguns detalhes e o inicio foi mais doloroso, só de pensar que você já tinha assistido aquele filme no cinema sem mim.
Mas aquela música inicial me fez sentir as feridas se abrirem novamente, a mentira do dia das crianças foi sua e eu disse que estava perdoado, mas eu não escolho não sentir dor, ela apenas vem e eu não consigo me desvencilhar.
Tentei te ligar imediatamente, mas você não atendeu, infelizmente no momento em que sofro por ti é com você que eu mais preciso estar, é irônico, é bonito, perigoso e me dá medo, mas é minha realidade, eu ainda sofro por você ter me deixado naquele dia do filme, não me falou nada e nem me chamou para ir, como você se sente agora que eu não consigo assistir a um filme de comédia por saber que você assistiu sem mim.

5 comentários:

Marina on 13 de janeiro de 2013 18:09 disse...

Muito bonito o texto. Aconteceu mesmo?

Alice Aguiar on 13 de janeiro de 2013 18:39 disse...

gostei do texto

Enfim Shakespeare on 13 de janeiro de 2013 21:36 disse...

Marina, infelizmente aconteceu, mas a gente supera.

Mariana Guimarães on 14 de janeiro de 2013 10:16 disse...

Parabéns pelo texto... muito belo e é verdade "tudo passa e ainda escrevemos ótimos textos depois" :D

beijos, me visita?
http://amostradelivros.blogspot.com.br/

Marcelle Dantas on 14 de janeiro de 2013 14:47 disse...

Nossa... que coisa né?! As vezes algo simples aos olhos dos outros pesa demais para nós. Acredito que deve realmente ter sido disícil...
Flor, te indiquei em um meme no Best! Espero que goste!

beijos,

Marcelle
bestherapy.blogspot.com

Postar um comentário

Obrigada pela visita.

Sempre retribuo os comentários *-*

 

Eu li e Comentei Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos